27/03/2008

Então e a Depilação?


Olhando para o pelotão internacional do Pro-tour, seria dificil imaginar nos dias de hoje, todos aqueles ciclistas sem os cuidados da depilação. É verdade, actualmente, para além de diversas questões, a depilação tornou-se também numa imagem de marca dos atletas das mais variadas modalidades, inclusive, no futebol.

Mas quais os verdadeiros benefícios desta atitude?

O primeiro mito surge logo associado aos factores de aerodinâmica, remetendo-nos para o início do século XX e recordando o percursor desta iniciativa e de muitas outras. Falo portanto de Giovanni Gerbi, um ciclista Italiano muito à frente do seu tempo, sendo pioneiro em diversos factores, nomeadamente no reconhecimento do percurso antes da competição e avaliação da forma física dos restantes atletas. Foi o primeiro a rapar as pernas e a cabeça no sentido de obter maior aerodinamismo e, mais inovador ainda, o facto de se vestir de seda, ao contrário dos restantes atletas que usavam o algodão. Tal facto, mereceu-lhe a alcunha de Diabo Roxo, devido à cor do seu rudimentar equipamento.

Mas voltando aos dias de hoje, a questão do aerodinamismo não será assim tão importante. Para além da imagem de marca, existem outros factores a realçar. Começo por referir as massagens. Qualquer plano de treino hoje em dia, inclui massagens, quer para relaxamento musculuar, quer para eliminação do ácido láctico. Imaginem como seria para o atleta, hirsuto ou não, submeter-se ás mãos do massagista sem ter as pernas depiladas!

Há ainda outra situação, que é o factor Queda. Infelizmente, todos nós, já caímos pelo menos uma vez, ou bem mais. Da queda, pode resultar uma ferida, que pode ser extensa ou não. No entanto, quando se torna necessário a aplicação de adesivos, torna-se muito mais complicado se o atleta não tiver os cuidados de depilação.

Estes são para mim, os factores mais importantes que levam a considerar a depilação como essencial no ciclismo de competição.

Mas então e quanto a nós, apenas entusiastas, amantes e apaixonados desta modalidade?
Será que vale a pena?

Nos diversos passeios, maratonas, concentrações, pequenas competições em que tenho participado, reparo que cada vez mais pessoas fazem a depilação e isto verifica-se em todas as idades. É um sinal de que há uma boa entrega à modalidade, pois ainda é dificil de nos descolarmos daquela imagem de que quem rapa as pernas perde um pouco a sua masculinidade.

Felizmente, as mentalidades mudam e evoluem com os tempos e já ninguém imagina ciclistas de topo com as pernas peludas.
Força no Pedal!!!

1 comentário:

Anónimo disse...

A informação que vocês estão a transmitir está errada. Muitos outros ciclistas por essa Europa fora já se depilavam antes de Gerbi. Eu que sou português vou dar um exemplo de um ciclista português (José Pessoa) que já praticava depilação no seu tempo, isto é em 1897. https://www.facebook.com/photo.php?fbid=117167601643821&set=a.153871611306753.39163.114837218543526&type=1&theater
Mas como Pessoa muitos outros ciclistas já tinham adquirido este hábito.