23/04/2008

ANÁLISE MÉRIDA MISSION 900

ISTO É UMA ESPÉCIE DE TESTE

´
Já aqui falámos da diferença entre bike rígida e de suspensão total. Diferem em muitos aspectos e cada uma delas pode ser orientada a várias variantes do BTT. Uma das razões que poderia levar à escolha de uma suspensão total seria por motivos de saúde. É então aqui que começa a nossa espécie de teste. Um amigo meu, o Rui Lopes, andava mortinho por comprar uma bike. No entanto, tinha uma dúvida tremenda. Como lhe tinha sido detectada uma "espécie de hérnia discal", o rapaz ficou assustado. Sendo amante da velocidade e fanático do peso, ficou sem saber o que fazer, por um lado tinha a Podium Pro e MSC wcr CATAL, pelo outro tinha a Focus Bud e a Mérida Mission 900. A escolha não estava fácil e foi uma tortura para o próprio até hoje. A primeira fase foi por de lado as rígidas, pois mesmo depois de uns trinta e tal médicos terem dito que não havia grande stress, o rapaz quiz mesmo ter a certeza de que iria continuar a andar de costas direitas e escolheu a suspensão total. Dentro destas analisou vários parâmetros. O primeiro tinha a ver como preço, depois o equipamento, seguia-se o comportamento e por fim o peso. Hoje fui então surpreendido pela sua escolha, nada mais que a MÉRIDA MISSION 900.

Vamos então ver o porquê desta escolha. Peso comedido, equipamento honesto, o facto de se comportar quase como uma rígida graças ao sistema de amortecimento traseiro e finalmente o preço. Quanto ao equipamento não há grandes queixas, desde componentes Shimano XT nos desviadores, manípulos e cubos, suspensão manitou R7 elite, aros Alex e um X-Fusion. Os periféricos são da casa.


Quanto à suspensão, nunca tinha experimentado uma manitou. Fiquei apreensivo com os ruídos que esta faz, nomeadamente um certo "sopro" quando é comprimida. fico sem saber se esta é uma característica das Manitou.

>

Um ponto que chamou a atenção pela negativa foram os travões, que se revelaram pouco potentes. de resto, todo o conjunto pareceu bastante equilibrado, inclusivé o X-Fusion que cumpre, para já, o que lhe é pedido. Daqui a umas centenas de Kilómetros voltarei a este tema para ver como se revelou a Mérida mais a fundo.

4 comentários:

Casquita disse...

Boa noite, azuribike (Gomes), sem dúvida que esta apreciação está excelente, não há dúvidas que tudo se resume a isso mesmo. Quando pensamos em comprar uma bike e começamos a "entrar" neste grande universo, ficamos cada vez mais viciados e queremos sempre mais, como é obvio existem dois factores determinantes, os euronios e a qualidade (e como é o caso a saúde), depois de muito trabalho de casa e muitas horas de internet, penso que foi uma boa opção, quanto ao resto o tempo o dirá, e aos poucos a menina vai ficar cada vez melhor. A todos aqueles que ainda tenham dúvidas, no stress, pois isso é normal
Cumprimentos a todos os visitantes da azuribike e ao Zé Gomes que tem feito um trabalho fantástico e nos tem deliciado com noticias fascinantes, parabéns ..

David disse...

Ois! é só mesmo para dizer que o barulho do sopro da R7 é tipico. está relacionado com o rebound penso eu de que...algumas fox também o fazem.
abraços

gomes disse...

Exactamente! Depois de contacar algum pessoal todos me disseram que era característica destas suspensões. A par do baixo peso, também tem um funcionamento bastante bom!
Obrigado!

Anónimo disse...

Ola boa tarde..
Eu sou o Rui Melo colega do Rui Lopes. Por causa dele eu tambem comprei uma merida mission 900.
Antes de falar de falar da bike, queria antes falar da loja onde a comprei, ITT de viseu na pessoa do senho Tiverio,acho que é assim que se chama..Uma miséria...
Em relação á bike apenas a suspensao "Manitou" duas vezes pra marca e nem sequer sei o que tinha porque o senhor tiverio nunca foi capaz de me dizer o que tinha..
Do resto penso que é uma bike em relação preço qulidade, bastante aceitavel..