26/05/2008

DISCO OU V-BRAKE?

A escolha dos travões é deveras importante. Quando temos de optar por uma de duas, ou mais situações, há que fazer comparações, verificar os prós e os contras de cada uma das opções. Até há poucos anos atrás, não muitos, ter uma bike com travões de disco era um luxo, apenas aquelas de uma gama superior vinham equipadas com este sistema. O "Disco" vinha associado a características importantes, como a fiabilidade e potência de travagem em quaisquer condições climatéricas. Foi precisamente este atractivo que cativou muita gente. Enquanto que os conhecidos V-Brakes perdiam a sua eficácia em chuva e terrenos lamacentos, os discos funcionavam sem problemas. Havia no entanto uns cépticos (ainda hoje até) que entendiam que os discos eram perigosíssimos, pois podiam bloquear a roda da frente e "capotarem". Dá para rir...Mitos como este, a par do elevado custo do material e ainda um acréscimo no peso da bike mantinham relutantes alguns bikers no que diz respeito à opção por este sistema de travagem. Ainda hoje são muitos os que preferem os V-Brakes, quer pela sua simplicidade, quer pelo seu baixo peso ou simplesmente por se manterem fieis e não quererem entrar na onda da multidão. Quanto a mim e enquanto me lembrar daquele fatídico dia em Moimenta da Beira, será para sempre DISCOS. Foram sinceramente uma surpresa fabulosa. Mesmo com chuva e lama sempre consegui travar em segurança. Bem..., isto se usar pastilhas de metal, de preferência as XTR, pois as de resina na chuva não duram uma prova de 40 Km. Deixei de ter os problemas usuais, tais como, quando o aro empenava um pouco, lá ficavam os calços a roçar, se folgava um pouco as manetes trilhavam os dedos quando accionadas. Enfim, a favor só mesmo o baixo peso. Digo portanto, que me tornei um adepto incondicional dos travões de disco, pois a não ser a troca de pastilhas, nunca tive qualquer problema. De referir que falo do sistema hidráulico, pois os sistemas mecâncicos acho que não vale a pena. É apenas a minha opinião! E voçês?

1 comentário:

Alberto disse...

Totalmente de acordo. A sensação de segurança ajuda muito