24/10/2013

Fonte: "Noticias ao minuto"
 
A informação foi avançada pelo diário Weser Kurier e posteriormente confirmada por Klöden à agência de notícias DPA, alegando que a falta de ofertas e as suas duas filhas são dois dos principais motivos que contribuíram para a decisão de retirar-se.
O alemão de 38 anos, que cumpriu 16 épocas como profissional, foi dispensado pela sua atual equipa, a RadioShack, que no próximo ano correrá como Trek.
Klöden tem um extenso palmarés, no qual se destacam os dois segundos lugares na Volta a França, em 2004 e 2006, que até poderiam ser primeiros, caso a organização do Tour não tivesse decidido não reatribuir as vitórias retiradas a Lance Armstrong.
O agora ex-corredor venceu o Paris-Nice em 2000, a Volta ao País Basco em 2000 e 2001, a Tirreno-Adriático de 2007, a Volta à Romandia de 2008. Conquistou ainda o bronze olímpico em Sydney 2000.
Dono de uma grande classe sobre a bicicleta, Klöden foi por diversas vezes "crucificado" no seu país natal por alegadamente ter recorrido ao doping.
No entanto, no dia da sua retirada, o alemão negou que vá seguir o exemplo de compatriotas como Erik Zabel e Jan Ullrich que, durante as suas reformas, decidiram confessar-se.
"Não tenho nada a confessar", garantiu o homem que nos últimos anos enfrentou a federação alemã, a agência alemã antidopagem e a imprensa germânica.
Durante a sua carreira, Klöden representou a Telekom, posteriormente denominada T-Mobile (1998-2006), a Astana (2007-2009) e a RadioShack (2010-2013).

Sem comentários: