30/06/2008

O TREINO - A SAGA CONTINUA

Um amigo que tem colaborado comigo aqui no Blog é o Barquinha. Já foi apresentado e feito um resumo da sua experiência em alta competição e actual vida desportiva. Como não tenho conhecimentos que me permitam abordar com pormenor a questão do Treino e os diversos factores que lhe estão associados, há que passar a bola a quem sabe. Sendo assim, e sob o título de "A saga continua" publico o segundo artigo do Barquinha. Aviso-vos que é um pouco extenso, mas muito completo.



"Boas.
Espero que perdoem a demora, mas por motivos de força maior, não me foi possível escrever umas linhas até ao dia de hoje.
Hoje vou dar continuação ao post de Terça-feira, 13 de Maio de 2008 sobre “O TREINO “.

Nesta fase, vou aprofundar um pouco o tema dos limites da frequência cardíaca, que tal como leram no texto anterior, quando falei em zonas, apenas falei em frequências cardíacas, pois meus amigos, “os verdadeiros” não retiram as zonas através das frequências cardíacas, mas sim através dos lactatos, as frequências cardíacas, são o método mais simples e diga-se de passagem o mais incorrecto, porque faz depender o desempenho directamente da frequência cardíaca, quando isso não é verdade.



O método dos lactatos (raspar a orelha, picar o dedo, …) tirando várias amostragens de sangue enquanto se faz o exercício, a fim de verificar a quantidade de ácido láctico no sangue, é o mais correcto, uma vez que cada organismo tem a sua capacidade de eliminar o ácido láctico das fibras musculares, cada organismo tem uma determinada tolerância ao ácido láctico, e por aí fora. Por isso quem tiver o €€€€€ pode começar a procurar na NET o preço de uma máquina para medir.



Teste incremental
Contínuo e incremental, com carga inicial entre 70 e 100 W e incrementos de 25 - 35 W a cada três minutos, até à exaustão voluntária. A frequência cardíaca (FC) é anotada no final de cada patamar de carga e as amostras de sangue são retiradas nos 20 segundos finais de cada estágio. O limiar anaeróbio é determinado por interpolação linear, utilizando a concentração fixa de 3,5 mM de lactato sanguíneo.
É utilizada esta concentração e não 4 mM, em função da duração dos estágios (3 min) do teste incremental.
Temos neste gráfico do lado esquerdo, tal como podem ver duas curvas de lactatos na azul, o indivíduo em questão não tinha treino (atletismo) e na vermelha encontrava-se treinado e comparando as duas curvas vemos que a vermelha demora muito mais a atingir o limiar aeróbio, tendo um desempenho muito superior,
Não posso deixar de dizer que estes tipos de gráficos têm de ser cruzados com a pulsação uma vez que os atletas não vão andar constantemente a tirar amostras de sangue.

A título de exemplo, quando fiz este teste, lembro-me de o treinador dizer que a zona alvo era entre as 2 e as 4 mmol/L, o que correspondia a 155 a 175 pulsações por minuto.
No meu modo de ver este teste é o melhor a fim de obter os limites de trabalho, mas, existe ainda um teste que mede o desempenho do atleta. O VO2 máx.
“O VO2máx é o volume máximo de oxigénio que o corpo consegue assimilar do ar que está dentro dos pulmões, levar até os tecidos através do sistema cardiovascular e usar na produção de energia, numa unidade de tempo. Este valor pode ser obtido indirecta (através de diferentes testes, cada qual com seu protocolo e suas fórmulas) ou directamente (pelo teste ergoespirométrico ).
O teste ergoespirométrico, conhecido de muita gente (aquele teste que o corredor faz no tapete com uma máscara no rosto e um monte de eléctrodos no corpo), além do VO2máx, encontra também os limiares anaeróbicos L1 e L2, que ajudam muito no treino (estes limiares são normalmente fornecidos em velocidade e/ou frequência cardíaca – FC).
Com esses dados é possível planear um treino mais estruturado. Veja o exemplo do treino com a FC ou velocidade de corrida:
Abaixo do L1: regenerativo
Entre L1 e L2: aeróbio. O corredor consegue manter o ritmo por bastante tempo
Acima do L2: intenso/anaeróbico. Quanto mais longe do L2, menor o tempo que o corredor consegue manter o ritmo
É claro que com os dados obtidos no teste, o treinador conseguirá programar melhor o treino de acordo com os objectivos pessoais.
Mas engana-se quem acha que o VO2máx é uma variável como a frequência cardíaca, que se pode medir com um frequencímetro. O VO2máx é usado para medir o “condicionamento” e o quanto “condicionável” é o indivíduo. Costuma ser o melhor índice fisiológico para classificação e triagem de atletas. E mais, normalmente é genético, não podendo ser melhorado muito acima de 20 ou 30%. Além disso, alguns outros factores também influem no seu valor, tais como:
Taxa de gordura. Quanto maior a taxa de gordura do indivíduo, menor seu VO2máx;
Idade. Quanto maior a idade, menor o VO2máx;
Musculatura. Quanto maior a musculatura, maior o VO2máx, entre outros.
Outra coisa que vale a pena realçar é que se o indivíduo for sedentário, provavelmente, com o treino, poderá ter seu VO2máx melhorado em até 30%. Já um atleta muito bem treinado, mesmo dando continuidade ao seu treino, dificilmente conseguirá melhorar seu VO2máx. Ou seja, quanto mais treinado for o indivíduo, menos ele pode melhorar seu VO2max, às vezes nem 1%. Porém, vale lembrar que mesmo sem aumentar seu consumo máximo de oxigénio, o desempenho deste indivíduo pode melhorar.”

A título de comparação, por assim dizer o VO2máx é o que distingue o Ferrari que bebe 20Lt (?) do Fiat Uno 5,5Lt. Mais ainda, comparando uma célula com uma fogueira em que o fogo é o trabalho realizado, o calor é produzido no organismo, o combustível chega através dos açúcares, hidratos de carbono, gorduras e proteínas. Falta o último que é o comburente (oxigénio), e quanto mais oxigénio, mais esta nossa “fogueira” arde.

Nesta altura qualquer bom treinador, já tem nas suas mãos as armas para transformar os meros mortais em “verdadeiras máquinas”, faltando apenas duas coisas extremamente importantes o treino (praticar, insistir repetir até sair bem), castigar o corpo para transformar o Fiat uno no Ferrari e a Técnica.
A técnica é para a grande maioria das modalidades desportivas factor importante da sua estrutura de rendimento e para algumas é mesmo o preponderante e determinante desse rendimento. Com efeito, esta importância deriva essencialmente da complexidade das habilidades motoras por ela e logo, a técnica tem para cada um delas uma função característica. contexto, Carvalho (1988) citando Djatschkow distingue quatro graus de modalidades: as modalidades de força explosiva, as modalidades de resistência, as modalidades de exactidão e as modalidades de estrutura complexa.
Nas modalidades de resistência, como por exemplo, o meio-fundo e fundo do atletismo, o ciclismo, a natação, o remo, a canoagem, etc., a técnica serve para tomar económico o processo motor. Nelas o objectivo do treino técnico é o incremento da eficácia dos impulsos que se sucedem com diferentes intensidades a fim de evitar desperdícios de energia. Para estas modalidades a técnica tem como função diminuir a fadiga. E da técnica poderemos falar posteriormente se tal for solicitado.

No que toca à minha experiencia como atleta, eu posso referir que em média praticava uma hora e meia por dia, estando muito próximo das duas horas, uma vez que os treinos de musculação (quer potência, quer resistência) e os treinos ao fim-de-semana (que eram aproximadamente duas horas e meia dependendo da altura do ano) compensavam os outros mais curtos que decorriam durante a semana (obviamente quando tinha estágios esta média era em muito superior uma vez que os treinos passavam a ser bi-diários ou tri-diários). Quando chegava a época de Verão, os treinos ficavam mais curtos e a sua intensidade aumentava (no remo tínhamos duas época uma de fundo e outra de velocidade). O mundo do ciclismo no que se refere à competição, nada posso dizer, uma vez que para além da “volta” pouco mais conheço. Mas posso aconselhar os não-profissionais. Na medida do possível tentem pedalar dentro dos limites da frequência cardíaca o máximo de tempo possível e de vez em quando estiquem um pouco a fim de fazer com que o coração “saiba” bater um pouco mais rápido. De resto, uma vez que não vão realizar competições, não vejo necessidade de fazer picos para determinada época do ano.
Vou deixar aqui duas páginas na Internet que eu achei de extrema relevância a quem se queira dedicar a este tema:
http://cantinhodostreinadores.wordpress.com/
http://www.efdeportes.com/efd121/os-principios-do-treinamento-esportivo-conceitos-definicoes.htm
No caso de terem dificuldade em assimilar estes conceitos, digam qualquer coisa que eu posso tentar simplificar.

Muitas subidas com saúde

Carpe Diem

SUPORTES PARA AS BIKES


Era assim que gostariam de aparecer no próximo passeio de cicloturismo,não? Não sei se ao comprar o suporte oferecem o carro mas vou investigar.

LIZ HATCH - O CICLISMO É BELO


Lembram-se daquele post com título "no comments"? Lembram-se das fotos? Muitos de vós questionaram de quem se tratava. Pois bem, a ciclista em questão trata-se de LIZ HATCH e tem conquistado adeptos por todo o Mundo. A facilidade com que chama a atenção já despertou o interesse de diversas empresas, tendo inclusivé sido capa da conhecida revista masculina MAXIM. Se quiserem obter mais informação relativa a esta ciclista, consultem o seu Blog em: http://vanderkittenliz.blogspot.com/



Há quem se queixe de que os capacetes BELL deveriam ter umas entradas de ar mais abertas!

29/06/2008

28/06/2008

SALTOS ESPECTACULARES

Todos temos um pouco de loucos mas, certo pessoal tem mais do que dose dupla. Admiro aqueles que o conseguem e os que tentam mas há limites que devem ser tidos em conta pois há desafios que certamente vão para além do "humanamente possível". Não tentem isto em casa!

OLHARES DO CICLISMO


Valentina Polkhanova

copyright ladies cycling

SAPATOS DE ENCAIXE PARA QUÊ?

Há muito que fomos brindados com a maravilha dos sapatos de encaixe. De tal forma que agora, muitos de nós não sabemos andar de bicicleta de outra forma. Parece que já não é possível andar sem eles. Reparem então na foto abaixo, não só tem sandálias, como estas são de salto alto. Como se não bastasse, ainda traz a cadeirinha para a criança. E voçês ainda se queixam! Vamos é mostrar isto às esposas e dizer que não há desculpa. Ao preço que está o combustível, há que deixar o carrinho na garagem!



CÃO DE GUARDA

São muitos os sistemas de segurança que temos ao nosso alcançe no que toca ao largar a bike na via pública por um curto período de tempo. De todos esses que temos ao dispor, nunca me passou pela cabeça este que podem ver na imagem abaixo. Há inequivocamente uma relação especial entre caninos e ciclistas, tendo inclusivé sido abordada num dos primeiros posts deste blog mas, a este nível é dificil. Na prática, o cilcista ou, a ciclista neste caso, pode ir ás compras descansada, tomar um café, ter uma curta conversa com as amigas e quanto volta encontra a bicicleta exactamente no mesmo síto. Isto porque a avaliar pela cara do bicho, não deve ser fácil conseguir uma abordagem á dita bicicleta. De referir que este sistema de segurança não se encontra à venda nas lojas comuns da especialidade.



27/06/2008

ERROS COMUNS NO CICLISMO


Este pretende o primeiro de vários posts destinados a alertar para vários erros comuns no ciclismo, principalmente amador. Quer treinemos sozinhos ou em grupo há determinados comportamentes que devemos evitar. Além de os evitarmos, temos de saber como se procede de forma correcta. O erro que irei abordar desta vez tem a ver com a forma de evitar obstáculos na estrada. Nunca vos aconteceu, irem a rolar repararem num burado ou uma irregularidade na estrada e apesar de o verem conseguem acertar precisamente nele. Porque é que isto acontece?
Muito simples, a bicicleta tem tendência a deslocar-se para onde o ciclista olha. Acreditem que eu já testei isto por várias vezes. Chama-se a isto, fixação do alvo. O truque para evitar este tipo de obstáculos passa por olhar precisamente para algo que não o obstáculo. Se traçarem uma linha recta imaginária paralela ao que querem evitar e a fixarem com concentração, passam sem qualquer tipo de problema. Isto quer dizer que a bicicleta segue os nossos olhos.

COISAS ESTRANHAS











25/06/2008

RECORDAÇÕES DO TOUR

BERNARD HINAULT E O SUPER RECORD

Quem não sabe quem foi Bernard Hinault? Quando se fala de ciclismo há nomes que lhe estão eternamente associados. Um deles é precisamente Bernard Hinault. Este Post não pretende dar a conhecer a sua biografia. Esse será um assunto que será abordado num futuro próximo, quando o trabalho de pesquisa estiver concluído. Desta vez irei falar daquele que foi na altura denomidado de "Super Record". Um grupo de estrada da Campagnolo que para a época era deveras avançado, contando já com a inclusão de materiais como o titânio. Basicamente tratava-se do melhor para o melhor. Ja aqui publiquei a notícia do Super Record para 2009 e as suas 11 velocidades. Agora façam a comparação do actual para o antigo. Reparem só na classe como cada peça foi construída.








BICICLETA DE MADEIRA - WALDMEISTER

Esta é mais uma prova de que a criatividade pode ser acompanhada de sucesso. Trata-se de uma bicicleta single speedd, feita à mão, tendo como material de construção base a madeira. Sendo construída num material pouco comum há no entanto a aplicação de componentes de marcas bem conhecidas, tais como a Truvativ, Schwalbe, rohloff, Chris King, etc. Contrastando com a madeira existem componentes de carbono, como é o caso da forqueta e das rodas. Vem equipada também com uns travões Avid Juicy Ultimate e pedais Crank Brothers. Outro dos materias presente nesta bike é o titânio mais concretamente no tubo de direcção que é meticulosamente inserido e reforçado com diversas camadas do material de suporte, neste caso, a madeira. Assim como a direcção, também o tudo de selim é inserido num ângulo preciso e reforçado igualmete com diversas camadas garantindo assim fiabilidade. Como podem ver pelo nome (waldmeister), esta é uma marca alemã, tendo no entanto representações no Reino Unido, França e Suiça. Originalidade é o que não lhe falta. Para quem é colecionador, este é um bom artefacto.


Consultem o site em: www.waldmeister-bikes.de

24/06/2008

SPECIALIZED EPIC 2009

Esta é uma notícia pela qual muitos aguardavam. O modelo Epic para 2009. Já aqui tinha sido revelada uma pequena notícia mas agora as fotos são mais explícitas. Na realidade este é apenas o modelo exlusivo com que Christoph Sauser compete. Podemos tirar conclusões imediatas de como será o modelo final. À primeira vista o que se nota é a abundância de carbono e titânio. Agora, tanto o tubo de selim como as escoras e mesmo a coroa da supsensão, são fabricados neste material. Não será de estranhar que se fale de uma redução no peso de cerca de 700 gramas em relação ao modelo anterior! Deixo-vos estas fotografias para se deliciarem com a abundância de material super topo de gama. X.0, marta sl, roval s-works integrado, cubos em carbono e inclusive um desviador dianteiro Dura-Ace. Podem também consultar esta informação em:
www.mtbs.cz








GIANT 2009

É certo que muitas marcas anunciaram já algumas das novidades para o próximo ano. Na verdade, o véu ainda não foi totalmente levantado, ainda há muita notícia para surgir. A GIANT, com marca de referência também não se atrasou. O modelo já apresentado trata-se de um quadro de estrada bem conhecido de todos. As inovações para o próximo ano não são drásticas. Passam por um quadro mais rígido e mais leve que o antecessor. O TCR ADVANCED SL, juntamente com forqueta e o tubo do selim pesam apenas 1497 gramas, no tamanho M, sem cortar os tubos do selim e da forqueta. Desta forma conseguiram retirar 200 gamas ao modelo anterior. Como se não bastasse, este modelo é anunciado como 42% mais rígido. É obra!!!
Começa já a ser usual, os modelos de topo virem equipados com o novo SRAM RED. Não há dúvida que em conjunto com as rodas Mavic Cosmic Carbono, a bicicleta está bem conseguida.



23/06/2008

BTTSTARBIKER


Já devem ter reparado num logotipo na barra lateral denominado bttstarbiker. Este link merece algum destaque por remeter para um site onde é partilhada imensa informação relacionada com o BTT, mas suas diversas variantes. Neste site terão acesso à calendarização de eventos, notícias recentes do panorama competitivo, quer nacional, quer internacional, links interessantes e em curso um programa de comercialização de material.
Vale a pena dar uma espreitadela e adicionar aos favoritos.

www.bttstarbiker.com

22/06/2008

WORLD NAKED BIKE 2008 - LONDRES

Existem muitos eventos activistas que têm por motivação alertar a humanidade para os efeitos de determinados comportamentos. O cenário da poluição mundial cada vez está mais em voga e temos de ser realistas, isto não pode continuar desta forma. Para melhor chamar a atenção surgiu o "World Naked Bike", um movimento que prevê o desfile de ciclistas sem qualquer tipo de peça de roupa vestida. Este evento desenvolve-se por todo o mundo, nomeadamente nas cidades mais importantes. Para consultarem toda a informação relativa ao assunto em epígrafe vão a: www.worlnakedbikeride.org
O vídeo abaixo retrata a manifestação em Londres, onde apesar da dimensão ninguém foi detido. Pior sorte tiveram os ciclistas do Brasil onde a coisa foi levada muito mais a sério pelas autoridades. Logo no Brasil onde toda a gente anda praticamente em bermudas ou bikini.



EDOSOF - RESULTADOS DESPORTIVOS


Se queres estar a par de todas a classificações em tempo real, existe um site que se dedica à publicação de resultados de todas as competições. O nome é EDOSOF
consultem em: www.edosof.com

21/06/2008

CENÁRIOS DE FUTURO

Este é um cartoon alusivo ao nosso mundo. Existem muitos mais que demonstram a realidade mundial no momento. Visitem: http://borgman.enquirer.com/
Será que iremos ver os americanos a fazer isto???

20/06/2008

GEORGE BUSH E O BTT

Quem diria!
Olhem só os presentes que trocam entre eles! Bush recebe um presentinho em carbono da Eslovénia. A marca da prenda é a "CULT".
Podem consultar o site em:www.cult.si

Parece-me que há aqui uma clara intenção de Marketing.....ou não???

2STAGE - TWIN SHOCK

Ainda há pouco tempo, numa conversa de amigos discutíamos o facto que, desde a implementação da suspensão e dos travões de disco, poucas teriam sido as novidades de relevo nos últimos anos. De certo, as marcas têm procurado diversas inovações, como é o caso da Cannondale com o sistema SI e lefty. Apesar de já no ano passado se ter falado num sistema de dois amortecedores, apenas agora vejo algo na prática. A aposta parte da 2STAGE, uma marca relativamente recente. A ideia baseia-se num sistema de dois amortecedores. Um deles está orientado para solicitações de menor exigência de amortecimento, enquanto que o segundo está lá para aqueles saltos mais agressivos. Para aqueles que anseiam por novas ideias, esta merece destaque, tanto mais que este é um sistema orientado não só para o Downhill como também para o all mountain.