31/05/2008

PERSEGUIÇÃO POLICIAL

Já vimos muita coisa, mas destas, só mesmo nos States. O gajo anda nas horas e técnica é o que não lhe falta.
Vejam só:

30/05/2008

CARBONO PERSONALIZADO

Ter umas rodas em carbono por si só já é um luxo e exclusivo. Mais exclusivo ainda é ter umas rodas destas personalizadas. O efeito final pode ser aprazível à vista, dependendo do gosto de cada um. Quaisquer rodas de série poderão ser modificadas ao gosto do cliente, isto ao nível do acabamento. Como se já não bastasse o já de si elevado preço, ainda acresce em média, cerca de 10% ao valor de mercado. O tempo de espera, ronda a seis semanas.








29/05/2008

A TREK DE ALBERTO CONTADOR

Há uns tempos atrás, o Nelson, um grande amigo, fanático como eu por esta coisa das bicicletas, alertou-me para a beleza de uma bicicleta do Pro-Tour e que esta merecia algum destaque pela harmonia das suas linhas. A bike em questão é a Trek Madone que equipa a Astana. Sendo ele também possuidor de uma Trek, não foi de estranhar que lhe despertasse a atenção. Eu já tinha dado por ela, mas realmente, merece destaque. Para melhor a ficarmos a conhecer há que procurar o ciclista que melhor a utiliza, Alberto Contador. Não só pelas suas linhas, mas também pelas cores e obviamente o equipamento.



Trek Madone 6.9


Tubo de direcção sobredimensionado


O novo SRAM RED, já aqui apresentado neste Blog



Ainda o RED. Mais leve que Dura-Ace e Record


Rodas Bontrager Race XXX Lite, com cubos e Aros de Carbono


Estranho o Selim, mais uma característica de Lance Armstrong, Selle San Marco

CICLO-RATOS


Não vou dar novidade nenhuma para a maior parte do pessoal, mas para aqueles que ainda desconhecem, visitem o blog humurístico da nossa modalidade. É só boa disposição! Não há um Post que não dê vontade de comentar!


Consultem:

http://ciclo-ratos.blogspot.com/

PEDALANDO DE SAIAS

Andamos todos aflitos com o aumento do preço dos combustíveis. Parece que não há alternativa, dizem...
Já fiz inclusivé referência aqui a um blog sobre um estudo sobre a utilização da bicicleta na cidade de Lisboa (100 dias de bicicleta).
De que estamos à espera?
Vejam as fotos abaixo. Foram tiradas na cidade de Copenhaga. Lá não inventam desculpas, nem sequer é necessário usar calções de licra para fazer as deslocações diárias. As mulheres não têm problemas, com o equipamento! De que estão á espera as nossas Portuguesas!
Estas são apenas algumas fotos retiradas de um site que faz alusão ao tema: "biking in skirts or dresses"


Para verem as cerca de 40 fotos consultem o blog:

http://copenhagengirlsonbikes.blogspot.com

MAGURA 2009

Decorreu já neste Blog, uma votação para a melhor suspensão. Curiosamente, a Magura não foi incluída. Isto porque no parâmetro nacional, ainda não tem uma visibilidade significativa. A verdade é que a MAGURA está bem implementada, principalmente devido aos travões, nomeadamente os "Marta", "Louise" e "Julie". No que toca às suspensões, a marca sempre foi conhecida pela excelente engenharia de construção, robustez, durabilidade, fiabilidade e....um pouco de peso a mais face à concorrência.

Para 2009, a marca pretende colmatar essa falta com a Durin SL. Em vez de sacrificar na rigidez, o que a torna única, através do conhecido duplo arco, a Magura optou por remover alguns sistemas de ajustes e de controlo externo, conseguindo assim eliminar algumas gramas (cerca de 30).

Os cursos, para a Durin Sl, são de 80 e 100mm, pesando respectivamente 1350Gr e 1380Gr, respectivamente.

Já sei no estão a pensar, uma suspensão com duplo arco, baínhas de 32mm e com este peso!!!
Ao nível do amortecimento traseiro surge o amortecedor MX, com funcionamento a ar. Tendo significativas inovações tecnológicas, tem também um peso bastante atractivo, cerca de 195Gr.

Os travões, neste caso os Marta SL, estão entre os mais leves do mercado, anunciando umas 297 Gr.

BICICLETA ECOLÓGICA

Eu sei que o combustível está caro. Sei que há falta de alternativas. Mas o que não há falta é de imaginação. Reparem só neste "protótipo". Atentem no sistema de travagem!

Este é o modelo hardtail. Para o ano surge o Full suspension!



ENTÃO E ESTE MODELO PARA AS COMPRAS?


26/05/2008

DISCO OU V-BRAKE?

A escolha dos travões é deveras importante. Quando temos de optar por uma de duas, ou mais situações, há que fazer comparações, verificar os prós e os contras de cada uma das opções. Até há poucos anos atrás, não muitos, ter uma bike com travões de disco era um luxo, apenas aquelas de uma gama superior vinham equipadas com este sistema. O "Disco" vinha associado a características importantes, como a fiabilidade e potência de travagem em quaisquer condições climatéricas. Foi precisamente este atractivo que cativou muita gente. Enquanto que os conhecidos V-Brakes perdiam a sua eficácia em chuva e terrenos lamacentos, os discos funcionavam sem problemas. Havia no entanto uns cépticos (ainda hoje até) que entendiam que os discos eram perigosíssimos, pois podiam bloquear a roda da frente e "capotarem". Dá para rir...Mitos como este, a par do elevado custo do material e ainda um acréscimo no peso da bike mantinham relutantes alguns bikers no que diz respeito à opção por este sistema de travagem. Ainda hoje são muitos os que preferem os V-Brakes, quer pela sua simplicidade, quer pelo seu baixo peso ou simplesmente por se manterem fieis e não quererem entrar na onda da multidão. Quanto a mim e enquanto me lembrar daquele fatídico dia em Moimenta da Beira, será para sempre DISCOS. Foram sinceramente uma surpresa fabulosa. Mesmo com chuva e lama sempre consegui travar em segurança. Bem..., isto se usar pastilhas de metal, de preferência as XTR, pois as de resina na chuva não duram uma prova de 40 Km. Deixei de ter os problemas usuais, tais como, quando o aro empenava um pouco, lá ficavam os calços a roçar, se folgava um pouco as manetes trilhavam os dedos quando accionadas. Enfim, a favor só mesmo o baixo peso. Digo portanto, que me tornei um adepto incondicional dos travões de disco, pois a não ser a troca de pastilhas, nunca tive qualquer problema. De referir que falo do sistema hidráulico, pois os sistemas mecâncicos acho que não vale a pena. É apenas a minha opinião! E voçês?

25/05/2008

UM LOOK DIFERENTE

A equipa tem uma nova pedra preciosa. Ontem, recebi uma chamada do Nuno a combinar o veículo a usar no treino de hoje. Ainda lancei uma hipótese sobre a estrada mas, segundo o ele tinha de ser de BTT, porque teria algo para nos mostrar( o que seria?). Hoje de manhã lá fomos nós buscar o rapaz a casa. Qual foi o espanto quando aparece com aquilo....uma LOOK a estrear.



Simplesmente o rapaz perdeu a cabeça, foi o que pensei. Sabia que andava para trocar a já cansada TREK, mas nunca suspeitei que fosse este recente quadro em carbono da LOOK o eleito.


O NUNO, mais conhecido entre os amigos pelo "fatia de fiambre" vá-se lá imaginar porquê, é a nossa arma secreta. Este ano tem estado numa boa forma. Tem ganho umas maratonas, uns bons resultados noutras, um 60º lugar 100 Km de Portalegre e recentemente um 6º lugar no campeonato nacional de XC em Tábua. Mas nesta altura, merecia algo mais orientado para a competição. Sem dúvida que este quadro está mais orientado para isso, basta vermos o Leão Pinto que corre actualmente com o mesmo quadro. Assim que peguei nela fiquei impressionado, parecia que esta a pegar numa bike de estrada, ou seja, mesmo ultra leve. Ainda pode levar alguns melhoramentos, visto vir equipada com XT e X9, race face envolve XC. O quadro, a suspensão(FOX F100), as rodas (Mavic SLR), os travões (Hope Mini) e os peneus (Maxxis Larsen TT) estão mais do que bem. Quanto à transmissão e aos periféricos, ainda há margem de manobra para melhoramentos. Hoje foi feito o primeiro teste, com muita, muita subida. Nos próximos tempos, iremos ver como se porta. Mas deste quadro, só se espera maravilhas!



O espigão do selim é parte integrante do quadro


Rodas mavic SLR Travões Hope Mini, desviador X9, maxxis larsen


pedais Shimano XTR

24/05/2008

UM CÃO A ANDAR DE BICICLETA!

Já toda a gente ouviu falar de um porco a andar de bicicleta,mas niguém ainda falou de um cão. Pois eu digo-vos, já vi um cão a andar de bicicleta.
Também é preciso rir um pouco e no yutube encontra-se de tudo, inclusive cães bem ensinados. Só que vindo daquela terra, já suspeito se será mesmo um cão ou um robot bem disfarçado!!!
Analisem...

PARA QUEM GOSTA DE VELOCIDADE...


Em meados dos anos 90, Bruce Bursford era uma apaixonado pela velocidade em bicicleta e em bater recordes. Usando a tecnologia e alguns materiais empregues na Fórmula 1 e mesmo na indústria aeroespacial, construiu este assustador brinquedo. Infelizmente, Bruce Bursford morreu atropelado enquanto treinava,no decorrer do ano 2000.
Agora pergunto....
Mas quem é que consegue por este "bicho" a andar???

23/05/2008

FERRARI DE DUAS RODAS

Isto é no que dá misturar o carbono com Colnago e com Ferrari. No inicio dos anos 90 começaram a aparecer os primeiros quadros em carbono. A estética é muito discutível, a meu ver. Dourados com vermelho....
Será que vermelho significa andar mais rápido?

22/05/2008

ANJINHA DA SPECIALIZED

Já sabemos que a specialized é mestre na arte do Marketing mas, nunca me passou pela cabeça que tentasse alcançar o céu. Pois bem, eis que vos apresento a "Anjinha da Speciallized".
Será quer vão trocar de bicicleta?

21/05/2008

As Vítimas do Tour de France


O Tour é um prova emblemática por diversos motivos. Ao longo dos anos, muitas têm sido as histórias e curiosidades associadas ao evento. Infelizmente, já houve algumas mortes, quer com corredores, quer com elementos do Staff ou mesmo espectadores. No Total o Tour já sentenciou 8 pessoas à morte, sendo quatro corredores:
Adolphe Héliere (1910), Francisco Cepeda (1935), Tom Simpson (1967), Fabio Casartelli (1995). As outras quatro mortes foram: O Motociclista Rene Wagter (1957), o oficial de prova Constant Wouters (1958), uma criança de 12 anos conhecido como Phillippe atropelado por um carro da caravana publicitária (2000) e outra criança de 7 anos Melvin Pompele, pelo mesmo motivo (2002).

A primeira vitima foi Adolphe Héliere em 1910 e curiosamente, morreu quando tomava banho num rio num dia de descanso da prova, ao ser picado por uma alforreca

A segunda Vitima foi Francisco Cepeda que após uma das rodas da bicicleta se ter soltado, caiu por uma ravina nos Alpes.

Infelizmente os acidentes acontecem. Como há tanto a dizer sobre a volta a França, ficam mais estas curiosidades para que a nossa cultura ciclista fique mais actualizada, ainda que sejam factos trágicos como é o caso.

20/05/2008

DOPPING EM PORTUGAL!!!

Foi de boca aberta de li esta notícia no Jornal Record:


"A Polícia Judiciária anunciou hoje a apreensão de substâncias dopantes, medicamentos, material destinado a auto-transfusões sanguíneas e instrumentos de uso clínico nas instalações de uma equipa de ciclismo profissional da zona Norte do país."



Esta equipa trata-se da LS/MSS/Póvoa do Varzim. Convém lembrar que a equipa comandada por Manuel Zeferino triunfou na subida a Naranco, na Volta às Astúrias e no Grande Prémio Rota dos Móveis. A infeliz notícia da morte de Bruno Neves nunca me atrevi a comentar, tanto mais que apenas foi transmitido que o ciclista tinha caído. Qual a razão da queda não sei!
Esta notícia é arrasadora para o ciclismo nacional. Que apareça a verdade desportiva.

SHIMANO DURA-ACE 2009 - MECÂNICO

Já aqui falámos do Dura-Ace electrónico, do protótipo e imagens alusivas ao material. A verdade é que o sistema mecânico tem de continuar em funcionamento. Como a Shimano costuma apresentar todos os anos um novo Kit aquando do início da Volta a França, é natural que esteja a testar o material!
A provar isso é o facto de pelo menos 14 ciclistas no Giro estarem a utilizar componentes do novo Dura-Ace. O Carbono está presente é verdade, mas também algumas alterações, nomeadamente a passagem dos cabos nas manetes, à semelhança da Campagnolo Ergopower e a última geração da SRAM. Segundo a marca, permite poupar cerca de 200 gramas.
Pelas fotografias o desviador traseiro esta dissimulado!!!


18/05/2008

MARCO PANTANI - O PIRATA

Um nome ao qual tenho obrigatoriamente de fazer referência é o de Marco Pantani.
Quem não se recorda dele?
A sua figura dificilmente será esquecida. Recordam-se da forma como cerrava os dentes naquelas etapas duras?
Pantani deu nas vistas não só pelas suas vitórias como pela sua imagem. Apesar de a primeira alcunha ter sido “elefantino”, devido às orelhas um pouco salientes, ficou conhecido pelo “pirata”. A cabeça rapada, um lenço com as cores da mercatone e um brinco na orelha mereceram-lhe a respectiva alcunha. A sua imagem estava espalhada pelo mundo inteiro. Havia uma grande cumplicidade com os adeptos. Até a Selle Itália criou um modelo de selim com a imagem do pirata. Aqueles conhecidos selins amarelos!
E quando pintou a pêra de amarelo depois de vencer o Tour em 1998?
As vitórias no Giro e na Volta a França fizeram dele o número um, mas todo o resto que veio depois acabou com ele. Primeiro uma taxa de hematócrito de 52%, depois eventual descoberta de seringas fez com que entrasse em depressão profunda.
Morreu no dia de S. Valentim de 2004 aquele que com 11 anos fazia já tiradas de 90 Km. Aos 15 as tiradas eram de 130 Km e aos 17 opta definitivamente pelo Ciclismo.
Deixa Saudade……
Deixo-vos um Vídeo para que não se esqueçam do PIRATA!!!





Declarações de Mário Cipollini na altura: "É impossível exprimir o sofrimento pela perda de um amigo. É uma tragédia de propoções enormes para todo o Mundo que conhece o ciclismo."

17/05/2008

RODAS ULTRA LEVES

Para quem gosta de trepar a empresa alemã FFWD criou as F2R-190 ceramic.
O peso umas impressionantes 1022 gramas o par (456 a da frente 566 a de trás).
O preço e só para começar.....1798€.





Cubos de cerâmica DT Swiss 190

Downhill extremo

Nunca fui grande adepto do DownHill mas, há que dar a mão à palmatória. Estes gajos são muita malucos. Vejam só este vídeo que encontrei na net. Não tenho palavras. Estes tipos gozam á brava

15/05/2008

ATÉ ONDE VAIS COM 1000 EUROS


Anda por aí uma aventura da qual já muito se tem falado, inclusive no forumbtt, onde já se escreveram 7 páginas de comentários. Teve uma enorme cobertura mediática, incluindo transmissão TV. Muitas são as críticas aos aventureiros mas, também são em grande número os votos de incentivo.
Trata-se de uma aventura que parte do lema "até onde vais com mil euros". Dois jovens decidiram tentar ir até Dakar, em principio de bicicleta mas, com um orçamento apenas de mil euros e um portátil.
Como disse, muito se tem escrito sobre tal aventura, mas para melhor acompanharem o facto consultem o blog: http://www.ateondevaiscom1000euros.blogspot.com/

Só para dizer que a maior parte das pessoas pensava que nem sequer chegavam ao algarve. Neste momento andam algures perto da Mauritânia!!!

A MELHOR SUSPENSÃO


Terminou hoje a votação no Blog para a melhor suspensão. Sem grandes supresas a maior parte dos visitantes escolheu a FOX como a melhor. Em segundo lugar ficaram < Marzocchi e a Manitou que tiveram o mesmo número de votos. O terceiro lugar foi para a Rock Shox. Fica então reconhecida a superioridade desta marca no que toca ao conjunto de robustez, peso, eficácia e sensibilidade.

13/05/2008

O TREINO

Um assunto que tem sido pouco abordado aqui neste Blog é a importância do TREINO. Como devemos deixar falar quem percebe do assunto, resolvi contactar um amigo meu, que já fez alta competição. Esteve inclusive para participar nos Jogos Olímpicos, mas um problema de saúde à última da hora estragou tudo. Falo do LUIS BARQUINHA, ex-praticante de Remo em alta competição tendo feito parte da selecção nacional de remo mas, que agora se dedica ao ciclismo. Pedi-lhe que abordasse o tema do treino de forma sucinta e de acordo com a sua experiência. No pouco tempo que teve disponível escreveu um artigo que considero bastante interessante e, que passo a transcrever:



"Não sou nenhum técnico, preparador físico, médico, arquitecto ou engenheiro. Sou apenas alguém que já praticou desporto de alta competição durante alguns anos. Não em ciclismo, mas em remo. O meu contacto com o ciclismo aconteceu devido a um pequeno problema que possuo nos joelhos. Problema esse que diminuiu em grande parte, a pouca ou nenhuma vontade que eu tinha em correr.
Escrevo estas linhas hoje como alguém que graças ao desporto já passou muitos bons/maus momentos e que aprendeu da melhor/pior maneira aquilo que podemos fazer com o nosso corpo.
Quero começar (seja porque motivo for) a “passear” de bicicleta. O que deverei eu fazer?
Para começar ir a um médico (tal como não poderia deixar de ser). Nós não sabemos o que se passa cá dentro, por isso é melhor falar com alguém que sabe. Depois o que quero fazer?
Estrada ? Btt?...
Existe tanta coisa que uma pessoa nem sabe o que escolher.
O meu conselho é falar com alguém, e sobretudo não gastar muito dinheiro logo no inicio.
Não digo uma bicicleta dos chineses (desculpem-me mas não é discriminação. É só para dar uma ideia). Estou em falar em comprar uma bicicleta que não precisa de ser em carbono nem ter suspensões todas racings. Algo para ver se o “bichinho” pega, quanto mais não seja para dar uns tombos valentes, que desses vai de certeza haver com fartura. Eu penso que é óbvio que se dirigirem a uma loja irão impingir material caro e roupas todas pipis que poderão a vir a ficar encostados porque uma pessoa não gostou da modalidade. As únicas peças que eu aconselho a investir com fartura é no CAPACETE e num monitor de frequência cardíaca (o conta quilómetro do nosso corpo)
Depois vêem os passeios pequenos que parecem que duram uma eternidade e ficamos todos orgulhosos (mas que uns anos depois fazemos em dez ou quinze ridículos minutos).
É nesta fase que cada um se define. É nesta fase que vamos torrar o nosso pouco dinheiro. É nesta fase que eu recomendo não ter medo de gastar, mas...
Pensando bem, se eu não vou competir, porque quero um quadro em carbono? Ou material em ligas esquisitas? Se eu não vou competir, eu não vejo razões para investir nesse tipo de material uma vez que cada grama é paga e bem paga, cada evolução tecnológica é explorada e bem, tudo para que um ciclista profissional na estrada ou no meio de uma serra qualquer consiga chegar á frente um centésimo de segundo, mas, que nós mortais não faremos uso nenhum ao equipamento uma vez que esse centésimo de segundo não nos fará falta nenhuma.
No meu caso foi o bichinho da estrada, talvez porque ficou-me na ideia que no btt existe um alto grau de “improviso”, reflexos, instinto. Eu cá gosto da disciplina, método, do controle “absoluto” (que diga-se de passagem não existe), posição, cadencia de pedalada, técnica de pedalada, controle da respiração, ergonomia, aerodinâmica, biomecânica…
Agora vamos ao objectivo deste conjunto de “papos”. Tal como já referi, pratiquei desporto durante muitos anos e a experiencia que adquiri no remo (para além da força de perna) é que me ajudou no ciclismo. Pensa uma pessoa que andar de bicicleta, é montar em cima do animal e depois siga a marinha. Nada disso, o desenvolvimento da modalidade depende muito daquilo que se faz no dia-a-dia, do tipo de treino que se faz. Cada parte constituinte do nosso corpo evolui á sua velocidade. Coração, pulmões, grupos musculares, e finalmente a cabeça.
Por exemplo uma pessoa que esteja habituada a andar a pé, mas que não corra nem faça musculação, digo eu que essa pessoa tem alguma resistência de perna e não vai ter muita força, logo vai ter mais dificuldades a nível pulmonar porque quer as pernas, quer o coração, não estão completamente destreinados.
Agora outro caso. Uma pessoa que transporte cargas muito pesadas. Muita força de perna e talvez pouca resistência.
De igual modo mediante o nosso dia-a-dia poderemos ver que cada caso é mesmo e sem sombra de dúvidas um caso.
É agora neste ponto que vamos ao cerne da questão andar de bicicleta não é apenas montar no animal. Quando cumprimos um programa de treino, para um bom entendedor do seu próprio corpo, poderemos sentir o nosso próprio corpo a evoluir.
Com a ajuda do fantástico e maravilhoso monitor de frequência cardíaca iremos fazer o nosso programa de treino.
A primeira coisa a fazer (depois do médico) é fazer dois testes
Medir a pulsação em repouso (de preferência deitado e de manhã cedo antes sequer de se mexer.
O teste de Cooper – 12 minutos a correr como um desalmado e memorizar a pulsação máxima.
Daqui vamos tirar a pulsação de trabalho.
No meu caso par a uma pulsação máxima de 180 (é o meu máximo) e uma pulsação em repouso de 52 o meu POLAR dá-me estas frequências
(Aproveito este instante para dizer que ando numa maior e completa balda, porque devido a um problema técnico, eu atropelei um carro e fiquei sem a parte da frente da bicicleta.)
O ideal é “rolar” nas zonas 2 e 3, por dois motivos. Se a frequência cardíaca for superior, no decorrer do treino irá existir acumulação de ácido láctico e o nosso treino em vez de ter uma, duas ou três horas, irá ter 10 ou 15 minutos. Se a frequência for inferior, o coração irá trabalhar “para aquecer” não provocando qualquer desenvolvimento. Depois após muito tempo de treino verão que conseguirão rolar nas zonas 3 e 4 sem se sentirem cansados e se medirem a frequência cardíaca em repouso (ao acordar) poderão chegar a ver o coração a bater entre as 35 e a 45 por minuto. Quanto maior for a frequência cardíaca alvo, menor será a mesma em repouso. Assim sendo, através da frequência cardíaca em repouso poderemos ter um indicador em como se encontra o desgraçado do corpo, mas aproveito para chamar atenção de que isto tudo varia de pessoa para pessoa.


O pessoal tem a mania de dizer “ É pá tem calma! Eu não sou nenhuma máquina….”. Pois, meus amigos devo-vos dizer que ainda bem que não o somos. O homem sobrevive nos dias de hoje graças à sua capacidade em se adaptar as situações que se colocam a sua frente. O nosso corpo adapta-se após algum tempo (atenção ao algum) perante o mesmo esforço, o coração já começa bater mais devagar, uma vez que está mais treinado, depois, como o corpo já se encontra melhor oxigenado (o coração e os pulmões trabalham com mais eficácia) inconscientemente começamos a aumentar o esforço a fim de manter a pulsação e os grupos musculares por si só começam a realizar o esforço com mais eficácia, voltando o ciclo do inicio a puxar mais pelo coração novamente. Existe uma infinidade de factores que contribuem para este ciclo. Idade, fumador ou não, alimentação, peso, profissão, a própria localização geográfica, uma infinidade.
Felizmente não sou uma máquina, pois é isso que faz do homem o animal com o elevado grau de excelência que é. Eu para “quitar” um carro ou uma mota, tenho que trocar pistons, chips, escapes, pneus,… No nosso caso é menos complicado, mas com mais trabalho (ninguém anda por aí a trocar o coração ou umas pernas) através de um treino programado.
Aproveito nesta altura para referir a minha experiencia em ciclismo (estrada), em que por motivos de trabalho estive na Madeira durante dois anos e se algum de vós tiver a curiosidade de ver um mapa da madeira poderá ver o declive do terreno em que existem muitas poucas zonas planas. O que verifiquei foi que a nível cardíaco eu me encontrava em excelentes condições, a nível de perna muita força (mesmo muita) e muita resistência a nível de manutenção das cargas, mas, pura e simplesmente não sabia rolar. O segundo ponto que notei foi a dificuldade em puxar durante todo o treino (na madeira sobe ou desce) por assim dizer apenas fazia metade dos treinos uma vez que não era como na VOLTA, eu não tinha estradas cortadas nem motas a abrir caminho, não podia cortar nas curvas.


Quando regressei tive sérias dificuldades a me adaptar ao terreno, tive que voltar a ensinar o corpo a rolar a grande velocidade com cadencias de pedaladas altas e durante todo o treino.

Comparando os dois gráficos podem verificar que existe uma grande diferença no que toca ao tipo de treino. Tal como referi no 1º gráfico para uma subida de duas horas e vinte minutos, tenho uma descida de trinta minutos e no gráfico nº 2 a tendência no que toca a cadencias de pedalada e pulsação é a descer o que quer dizer (a meu ver) que o organismo não se encontra preparado para manter o esforço durante o treino.
Quando referia as partes do corpo, referi uma que até agora ainda não mencionei. A cabeça.
É a cabeça que sabendo que tem que fazer determinado treino o cumpre ou não.
É a cabeça para os que fazem competição que fica a remoer porque ficamos atrás do outro um décimo de segundo. Que nos põe a remoer toda uma época desportiva porque ficamos em segundo lugar.
Se eu não me tivesse baldado naquele dia provavelmente tinha ganho…. (provavelmente)
É a cabeça que controla todo o corpo mal ou bem, mas é ela.
Para finalizar recomendo esta leitura, que apesar de não falar da ciclismo, fala no essencial do treino aeróbio, que se aplica a todos os desportos
Fitness ABC's Training Manual & Certification Course – International Fitness Association"

12/05/2008

SCOTT PLASMA

Os Ciclistas da Saunier-Duval foram brindados com esta obra-prima. Um quadro Scott Plasma 2. Segundo a marca este quadro é 20% mais aerodinâmico que o anterior. O peso é cerca de 1340 gramas para o conjunto quadro/forqueta. Todfas as linhas foram pensadas, obviamente, para reduzir o atrito aerodinâmico.
Reparem só no centro pedaleiro!