27/03/2008

Então e a Depilação?


Olhando para o pelotão internacional do Pro-tour, seria dificil imaginar nos dias de hoje, todos aqueles ciclistas sem os cuidados da depilação. É verdade, actualmente, para além de diversas questões, a depilação tornou-se também numa imagem de marca dos atletas das mais variadas modalidades, inclusive, no futebol.

Mas quais os verdadeiros benefícios desta atitude?

O primeiro mito surge logo associado aos factores de aerodinâmica, remetendo-nos para o início do século XX e recordando o percursor desta iniciativa e de muitas outras. Falo portanto de Giovanni Gerbi, um ciclista Italiano muito à frente do seu tempo, sendo pioneiro em diversos factores, nomeadamente no reconhecimento do percurso antes da competição e avaliação da forma física dos restantes atletas. Foi o primeiro a rapar as pernas e a cabeça no sentido de obter maior aerodinamismo e, mais inovador ainda, o facto de se vestir de seda, ao contrário dos restantes atletas que usavam o algodão. Tal facto, mereceu-lhe a alcunha de Diabo Roxo, devido à cor do seu rudimentar equipamento.

Mas voltando aos dias de hoje, a questão do aerodinamismo não será assim tão importante. Para além da imagem de marca, existem outros factores a realçar. Começo por referir as massagens. Qualquer plano de treino hoje em dia, inclui massagens, quer para relaxamento musculuar, quer para eliminação do ácido láctico. Imaginem como seria para o atleta, hirsuto ou não, submeter-se ás mãos do massagista sem ter as pernas depiladas!

Há ainda outra situação, que é o factor Queda. Infelizmente, todos nós, já caímos pelo menos uma vez, ou bem mais. Da queda, pode resultar uma ferida, que pode ser extensa ou não. No entanto, quando se torna necessário a aplicação de adesivos, torna-se muito mais complicado se o atleta não tiver os cuidados de depilação.

Estes são para mim, os factores mais importantes que levam a considerar a depilação como essencial no ciclismo de competição.

Mas então e quanto a nós, apenas entusiastas, amantes e apaixonados desta modalidade?
Será que vale a pena?

Nos diversos passeios, maratonas, concentrações, pequenas competições em que tenho participado, reparo que cada vez mais pessoas fazem a depilação e isto verifica-se em todas as idades. É um sinal de que há uma boa entrega à modalidade, pois ainda é dificil de nos descolarmos daquela imagem de que quem rapa as pernas perde um pouco a sua masculinidade.

Felizmente, as mentalidades mudam e evoluem com os tempos e já ninguém imagina ciclistas de topo com as pernas peludas.
Força no Pedal!!!

Vanessa Fernandes


Já aqui falámos do pai, e com diz o ditado, "filho de peixe saber nadar".
Vanessa Fernandes é um nome que significa muito. A este nome associamos, espírito de sacrificio, patriotismo, perseverança, atitude, vontade de ganhar e CAMPEÃ.
Sendo este um espaço dedicado ao Mundo das biciletas, não poderia deixar de falar no Triatlo, tanto mais pelos meus amigos que praticam esta modalidade há alguns anos, nomeadamente o CUSTÓDIO ANTÓNIO e o ANÍBAL OLIVEIRA. Dedico então este Post a esta modalidade, em que a Vanessa Fernandes é a Raínha.
Podem consultar o seu site em: www.vanessafernandes.net

26/03/2008

100 DIAS DE BICICLETA EM LISBOA


Passeando pela blogosfera, encontro um local que vale a pena referenciar, "cenas a pedal".
Neste Blog podem encontrar um estudo dedicado à utilização da bicicleta na Cidade de Lisboa, tendo inclusivé sido publicados diversos artigos na imprensa escrita. Num tempo em que o clima e a queima de combustíveis fósseis andam em luta, vale apena dar uma espreitadela.

25/03/2008

VESTUÁRIO TECNOLÓGICO


A tecnologia não para de nos surpreender. A segurança do ciclista também não é esquecida e a prova disso é a criação de vestuário apropriado como é o caso desta imagem. Trata-se dum Jersey devidamente adapatado ao ciclista citadino tendo incorporadas luzes de sinalização que indicam a mudança de direcção. Estas luzes, que funcionam através de Leds, são accionadas no punho da Bike.
Mais uma invenção interessante, O futuro está aí!!!

23/03/2008

TREK MADONE 6.9




Bebendo informação através do site www.cyclingnews.com, descubro que se econtra em teste o novo modelo da Trek, mais concretamente a madone 6.9. Não que seja grande adepto desta marca, mas não posso ficar indiferente à beleza destas linhas. Há por aí muitas obras de arte e esta é uma delas.
Numa altura que o branco veio para ficar, digo, esta bike está LINDA!

21/03/2008

RÍGIDA OU SUSPENSÃO TOTAL


Esta é uma pergunta que muitos de nós, principiantes ou não, poderemos fazer quando se pensa na compra da nova bike. A resposta nem sempre é fácil. Isto porque existem sempre prós e contras em qualquer uma das situações. Senão, vejamos, a suspensão total é mais confortável, mas a rígida é mais eficiente, FS (full suspension)normalmente é mais cara, HT (hard tail)possui uma mecânica mais simples, FS é por norma também mais pesada, mas a HT ao fim de duas horas temos as costas um pouco mais empenadas. Há portanto diversas variantes que nos deixam ainda mais confusos. Temos de partir então do tipo de utilização que lhe queremos dar, e para isso existem diversas categorias dentro do BTT, nomeadamente:
- Downhill;
- All Mountain;
- Enduro;
- Freeride;
- Cross Country;
- Dirt, etc.
Para cada um destas categorias existem modelos específicos. A solução passa por adequar o tipo de bike à modalidade que nos interessa. Mas no XC (cross country)utilizam-se tanto a FS como a HT. É verdade, mas na minha opinião pessoal, para esta vertente prefiro a HT. Posso ainda ser convencido do contrário, mas penso que a rigidez de toda a estrutura e, mais concretamente do bloco pedaleiro são essenciais para que não haja desperdício da força que é transmitida à roda. É apenas a minha opinião.
Há ainda uma outra situação, que é a do biker que dá o seu passeio com os amigos ao Domingo. Nesta situação é necessário escolher entre os factores já descritos, nomeadamente, o conforto, posição de condução, peso, eficiência, complexidade do equipamento, ou seja, é necessário estabelecer uma hierarquia dos mesmos e selecionar o mais importante, podendo a partir daí fazer a escolha.
Não esquecer também a famosa frase "uma suspensão total, só compensa se for de gama alta".
Sendo dificil de escolher em qualquer um dos casos, espero que este texto não tenho complicado ainda mais!
Força no Pedal!!!

19/03/2008

FABIO CASARTELLI - NOME IMORTAL


Este artigo pretende recordar a edição da Volta à França do ano de 1995. Infelizmente, não a recordamos pelas melhores razões, mas sim pelo trágio acidente que causou a morte de um Campeão Olímpico.
Falo de Fábio Casartelli.

Foi na 15ª etapa, ao Km 34 que Casartelli, na altura com 24 anos, enquanto descia os Pirinéus a grande velocidade se deparou com a queda de outros dois ciclistas. Não conseguiu controlar a bicicleta e após capotar, embateu fortemente num bloco de cimento. viria a falecer já no Hospital, após ter sido evacuado de helicóptero. Virenque ganhou esta etapa, mas quando a notícia se espalhou, o pelotão assumiu uma postura honrosa. Na etapa seguinte, a cerca de 10 Km da meta o pelotão uniu-se, e na frente ARMSTRONG, PERON, ANDREU, BAUER, MEJIA e SWART cruzaram a meta formando uma asa. Mais comovente foi o facto de o seu filho que tinha acabado de nascer e nunca chegou a conhecer o pai. Este momento marcou para sempre a carreira de muitos ciclistas, principalmente os seus colegas de equipa, de que se destaca Lance Armstrong em que o o 18 de julho de 1995 será para sempre uma data triste.

17/03/2008

II Maratona de Oliveira do Hospital


Realizou-se ontem a 2ª Maratona de BTT, organizada pelo "Clube Seita BTT/Lazer", (clubeseitabttlazer.blogspot.com, na localidade de Oliveira do Hospital. Esta maratona previa duas distâncias, 60 e 35 Km respectivamente.
O nosso atleta Nuno Silva, representou as "Pedras Vivas" ao melhor nível, tendo conseguido um brilhante 2º lugar, comprovando que está a atravessar um bom momento de forma.
O 1º Lugar foi conseguido pelo atleta Gil do BTT Seia.
Para breve publicarei as fotos alusivas a este evento.
Parabéns aos atletas!

ANTI-FURO


Tubeless ou sistema convencional?
A nossa Bíblia, "Bikemagazine", publicou na sua edição de Fevereiro, um artigo acerca destes dois sistemas. Nesse Artigo, fez uma análise exaustiva dos prós e contras de ambos, inclusive do peso que significa cada um deles. Já sabemos que tubeless é mais caro, mais pesado, mais complexo, mas, mais eficaz. Quanto ao sistema convencional, também ficámos a saber que tende a ser menos eficaz, mas que é mais simples de montar/desmontar, mais leve e mais barato.
Quanto a mim, tenho montados uns aros mavic XM 717 Disc, que não são tubeless e uns pneus Hutchinson new Python, um sistema convencional portanto. Há cerca de seis meses atrás, resolvi experimentar o tão falado líquido anti-furo, ou selante, não sei, e posso dizer-vos, foi o melhor que poderia ter feito. Desde essa data que não tenho um furo, já tirei dos pneus vários espinhos, paus, picos, etc. Nunca parei por causa de um furo, o líquido é simplesmente uma maravavilha. Claro está que se nota um acréscimo do peso das rodas, é inevitável, mas é preferível assim, pelo menos para mim, que em centenas de Km, nunca parei.
Assim, tornei-me num adepto do "Sangue Verde".

15/03/2008

O "VELHO LAU"


Vencelau Fernandes, quem não se lembra dele?
Actualmente mais conhecido por ser o pai da Campeã do Mundo de Triatlo - Vanessa Fernandes, Venceslau foi o mais velho corredor de sempre a ganhar uma volta a Portugal. Foi aliás a sua única vitória na campetição, no ano de 1984. Tinha na altura 39 anos e manteve-se no mundo da competição até aos 46 anos de idade. Venceslau Fernandes tornou-se portanto, num sinónimo de longevidade no ciclismo de competição.
Nesta fotografia, podemos vê-lo a subir a Senhora da Graça no ano passado, na etapa da volta dedicada aos cicloturistas e amadores, onde aparece também um elemento da nossa equipa, o Nuno silva.


Equipas que representou:

Cedemi - 1966; Benfica - 1967/69; Ambar - 1979; Sangalhos - 1971; Benfica - 1972/75; F.C. Porto - 1973/74; Sangalhos 1977/78; F.C. Porto/UBP - 1979/80; Rdovil/Isuzu - 1981; Rodovil/Ajacto - 1982/83; Ajacto/Murphy Richards 1984/87; Sangalhos/Recer - 1988/89; Alguerra - 1990; Paços de Ferreira - 1991.

14/03/2008

UNIVERSO LARANJA

clique para aumentar


Reparem nestas belezas! Não há dúvida que a KTM veio para ficar e ocupar uma posição de destaque. uns amam, outros nem por isso, mas, ninguém fica indiferente a esta qualidade de construção.

13/03/2008

NOVIDADES 2009


O dinamismo empresarial internacional, faz com que as marcas não se deixem adormecer, no que toca ao desenvolvimento e aperfeiçoamento dos seus produtos. A Shimano, como marca de referência no panorama ciclistico, não pode ser excepção e apresenta já algumas novidades para 2009. Neste artigo falamos da Linha LX quer será modificada para o estilo touring, de uso em passeios leves ou em cidades, que além de um novo design, apresenta também um cubo com dínamo, tal como na linha Tourney, Alfine e Nexus.

12/03/2008

CURIOSIDADES


Regressemos ao ano de 1914 e recordemos a volta a Itália. Neste longínquo ano, o Giro contou com a participação de 81 corredores, no entanto, apenas 8, sim... 8, conseguiram completar a prova.
Não será de admirar, que este tenha sido o ano em que se registou a pior média horária numa Volta a Itália, qualquer coisa como 23,4 Km/hora.
Impressionante!

CARBONO OU ALUMÍNIO?


Esta é uma dúvida que à partida até parece fácil de solucionar. A maior parte de nós, em menos de 2 segundos escolheria o CARBONO como material de eleição na fabricação do quadro e componentes da Bike.
Mas será mesmo assim tão simples?
Os olhos também comem e sem dúvida, que quando olhamos para um quadro em fibra de carbono, e reparamos na beleza das suas linhas, na ausência de soldaduras, na aparente perfeição de construção de cada tubo, ficamos convencidos. Um dos pontos mais fortes do carbono é sem dúvida o peso, que aliado a uma rigidez extremamente elevada o tornam tão apetecível, principalmente no mundo da competição, pois uma sólida rigidez é fundamental para que se possa transmitir à roda toda a força exercida pelo atleta.
No entanto, também existem quadros em alumínio com soldaduras polidas, com extrema qualidade de construção e com linhas igualmente belas, mas, por norma são um pouco mais pesados e não tão rígidos como os de carbono, fazendo com que não sejam tão apetecíveis, à partida.
Existe no entanto, um factor preponderante na escolha do alumínio, o PREÇO. Sem dúvida que um quadro em alumínio fica menos dispendioso que fabricado no outro nobre material. Isto deve-se aos custos de produção que o carbono representa, nomeadamente na quantidade de matéria-prima utilizada.
É pois este factor que faz com que, na hora da escolha da nova bike surjam dúvidas, ainda que aliadas a outros factores, nomeadamente a menor resistência a maus-tratos por parte do carbono e impossibilidade de alterar a pintura de origem.
Quanto a mim, continuo a ser fiel ao alumínio no que toca ao BTT. Quanto à estrada já me inclino mais para o carbono, apenas não consigo é lá chegar, quem sabe num futuro próximo haja mais uns €uritos na carteira!!!

11/03/2008

SUBIR OU DESCER?

O que é mais difícil?
Será subir a Serra da Estrela ou descer a pista de DownHill de Guimarães?
Como se diz na publicidade duma conhecida loja de electrodomésticos, “todos nós temos o nosso forte”.
Sabes qual é o teu?
Falando em termos de pedal, qual é o teu forte? Subir ou descer?
Pela minha experiência, muitos são aqueles que quando vêem uma subida, começam logo a ficar preocupados, tanto mais, porque isso significa muita libertação de suor, pernas mais pesadas, maior ritmo cardíaco, etc,
Daí surge a famosa frase, “…subir é para quem pode, descer é para quem gosta…”
Não será necessariamente assim, pois, não é qualquer um que desce sem ter sistematicamente os dedos colados às manetes de travão. Numa descida, existe também suor, muita adrenalina e um ritmo cardíaco por vezes ainda mais elevado, associado ao risco eminente de uma queda aparatosa, com consequências que podem ser dramáticas, quer para o atleta, quer para a bike.
Falando de mim, o meu terreno de eleição, são as subidas. Isto pelo facto de me sentir bem a trepar. Por uma razão qualquer, tenho uma tendência natural para subir com um esforço relativamente controlado (também depende da subida claro). Por outro lado, as decidas são uma complicação para mim. O factor “técnica “ não é o meu forte e isso faz com que as pastilhas da minha bike se gastem mais rápido que as dos outros, mas, já foi pior.
Há ainda quem consiga conciliar as duas vertentes, mas, por norma, há sempre um “forte” em todos nós.
Por estas razões, sou da opinião de que subir não é mais difícil que descer, apenas depende de cada um.

09/03/2008

Domingo é Domingo


É verdade. Domingo é Domingo e para nós, profissionais ou amadores, simpatizantes ou aficcionados, este dia da semana é sinónimo de muitos Kilómetros. Sem dúvida que houve um "Boom ciclistico" nos últimos anos. É com clara satisfação que reparo todas as semanas na quantidade de praticantes desta modalidade que ao domingo de manhã se reúnem para mais uma volta, munidos de tudo o que possa fazer falta, mochilas, bebidas energéticas, chaves e sobressalentes, o que demonsta gosto, interesse, alegria e paixão por tudo o que o andar de bicicleta representa. O colorido dos mini-pelotões chama a atenção, tanto mais que o número de jovens e praticantes femininos é cada vez maior. O facto de o ciclismo, quer seja de estrada ou de BTT, ter vindo a crescer é benéfico, a população ganha com isso, os jovens descobrem algo que os motiva e desvia de caminhos menos correctos, e naturalmente, quem anda motivado encara a vida muito melhor, com menos stress e menos preocupações, ou pelo menos, encaram-se de outra forma. O número de grupos aumentou e são comuns os pontos de encontro dispersos por todas as cidades. Esperemos que continuem a aumentar e que esta modalidade sirva sempre para o bem estar da população.
Hoje, o empeno não foi muito, fizemos pouco mais de 40 Km em BTT. Houve umas caras novas, mas que se mostraram em forma, nunca descolando muito do resto do pessoal. Quanto a azares, bem, prato pedaleiro maior gasto, que apenas me permitia andar no do meio e um pau qualquer que prendeu na bike e deu origem a um desviador traseiro torcido. Um desastre!
Amanhã, lá estará no sitio do costume para mais uma revisão, enfim, acontece!

06/03/2008

O Cão e o Ciclista


Com certeza, a maior parte de nós, foi já surpreendida por um qualquer cão nervoso que se atravessa no nosso caminho enquanto pedalamos descansados. Ora, esta situação, tende a repetir-se cada vez que um animal canino detecta uma bicicleta. O mais estranho da situação é que o referido animal, apenas reage com tamanhos impulsos nervosos, à passagem de um ou mais ciclistas. Será uma situação pertinente pois, se momentos antes passar uma pessoa apeada, um automóvel, ou qualquer outra viatura, a tendência normal da maior parte dos caninos, é ficar sossegado, dormitando com um olho aberto e outro fechado, não ligando patavina ao que passa à sua volta. O que será que tem a bicicleta que desperta reacções instantâneas de agressividade, qualquer que seja o tamanho ou raça do cão, aquando da passagem de um ciclista?
Será que existe uma resposta?
Podemos juntar aqui vários factores, nomeadamente:
- O facto de um veículo silencioso passar junto ao cão a uma velocidade acima do normal!
- O facto de as cores salientes da maior parte dos equipamentos atraírem a curiosidade dos cães!
- O facto de um ciclista devidamente equipado se parecer com um qualquer animal super ameaçador para a raça canina!
- Ou simplesmente, os cães não gostarem de bicicletas!
Não existe portanto uma explicação objectiva para esta situação, no entanto, lanço aqui o desafio para que se alguém souber a resposta, a publique aqui para que todos os utilizadores de bicicleta possam ficar esclarecidos.

04/03/2008

A Importância dos MInerais no ciclismo

Um dos temas mais importantes no planeamento de um treino é sem dúvida a alimentação. No entanto, o nosso conhecimento sobre os efeitos dos diferentes alimentos no nosso rendimento é muito pouco, fazendo com que alguns de nós recorram a profissionais nesta área, nomeadamente os nutricionistas. Para fazer face a muitas dúvidas e para que a nossa cultura geral aumente um pouco, fica aqui um artigo dedicado aos minerais. Futuramente, irei abordar um outro tema dedicado às vitaminas.
MINERAIS PRINCIPAIS

03/03/2008

Estrada ou BTT?

Na verdade, esta é um pergunta que um principiante no mundo das duas rodas pode argumentar. "Quero comprar uma bike, mas será que devo escolher de estrada ou BTT?"
Naturalmente a resposta a esta pergunta depende do tipo de utlização que o biker lhe quer dar, se pretende apenas "papar quilómetros", elevar a sua performance, perder alguns quilitos e saborear a adrenalina da velocidade duma qualquer descida vertiginosa de alcatrão, a bicicleta de estrada é o ideal. No entanto, se pretende apreciar a paisagem, fazer incursões por terra, ter o prazer de no final de uma saída olhar para a bike completamente cheia de lama, ser presenteado por um qualquer "single track" de dois kilómetros sempre a descer, fazer uns saltos e drops, fazer descidas alucinantes cheio de adrenalina, então é melhor optar pela BTT. O ideal seria ter as duas vertentes, mas quando o orçamento aperta, há que fazer escolhas. A razão deste artigo tem a ver com aquilo que se passou comigo, também tive dúvidas, tendo optado pela de estrada. Mais tarde adquiri uma BTT, a qual agora está no topo das minhas preferências, tanto mais por aquela descrição que fiz acima, sendo que no tempo de calor utilizo mais a de estrada. A escolha é tua!